Vale de Estrela pertence ao distrito e concelho da Guarda, de cuja sede dista aproximadamente 5 quilómetros; o seu orago é S. Silvestre.

    Sem que se exclua a hipótese de um povoamento muito remoto, nada se pode afirmar acerca deste assunto, pelo menos até ao século XII, dada a falta de documentação escrita que lhe seja referente, carecendo dela ainda nos primeiros séculos da Nacionalidade. No entanto, a toponímia é suficiente para fazer crer que o território teve povoamento antes da Nacionalidade, pois são sem dúvida anteriores a esta época, alguns topónimos desta freguesia, que possuía primordialmente o topónimo "S. Silvestre de Porcas". Esta designação foi abolida por Decreto-Lei nº 14.912, em 16 de Janeiro de 1928, tendo sido adoptada, a pedido dos locais, a designação de "Vale de Estrela", por a freguesia se situar num dos muitos vales da Serra da Estrela.

    A Igreja de S. Silvestre foi instituída na Idade Média pela Sé egitaniense, que ali apresentava o pároco; a igreja tornou-se depois paroquial, daí ter dado o nome à freguesia "S. Silvestre". Já no topónimo "Porcas", não é tão clara a significação devido ao emprego do feminino, pois se se trata da espécie animal, esperar-se-ia "Porcos", dado que no local proliferava o porco bravo; de qualquer modo, o topónimo "Porcas" é índice de antiguidade.

    Administrativamente, a freguesia de S. Silvestre de Porcas, actual Vale de Estrela, foi sempre do termo da Guarda, dado que ficou integrada nos limites escritos na carta de fundação deste concelho, por D. Sancho I.

    A população residente de Vale de Estrela desde os inícios do século XVIII triplicou, embora o seu progresso actual não seja táo evidente, devido às consequências da emigração ocorrida na década de 60; trata-se de uma povoação cujas principais actividades económicas são: a agricultura e a pecuária, os tradicionais ofícios de sapataria e de latoaria, actualmente quase só praticados no artesanato, destacando-se neste a manufactura de mantas de lã; esta economia de certo modo anula as perspectivas da população jovem, de um futuro com mais oportunidades de emprego. Todavia, também se verifica que nos últimos anos a terra tem sofrido um certo progresso o que lhe tem vindo a permitir alargar o leque de actividades à disposição dos seus habitantes. Ressaltam no seu património cultural e edificado: a Igreja Matriz, o antigo chafariz de Vale de Estrela que apresenta gravada uma estrela de oito pontas, o chafariz do ribeiro, a Torre do Relógio e o cruzeiro.